post-title Cuidado com os Fios e Cabos Elétricos para Instalação Predial 'NÃO CONFORMES' 2014-03-28 10:25:06 yes no Posted by: Categories: Notícias

Cuidado com os Fios e Cabos Elétricos para Instalação Predial 'NÃO CONFORMES'

Cuidado com os Fios e Cabos Elétricos para Instalação Predial 'NÃO CONFORMES'

O
SINDICEL – Sindicato da Indústria de Condutores Elétricos, Trefilação e
Laminação de Metais Não-Ferrosos – alerta que existem no mercado Fios e Cabos
elétricos para Instalação Predial não conformes, que podem trazer prejuízos a
todos.

Certificação
compulsória do INMETRO

Todo fabricante é responsável
pela certificação de Fios e Cabos Elétricos para Instalação Predial pelo sistema
INMETRO.  Todo revendedor (Lojista) ou distribuidor, da mesma forma, é
responsável pela comercialização apenas de produtos
certificados.

A
presença do selo INMETRO nas embalagens destes produtos (com a respectiva
identificação do órgão certificador do produto – OCP) é a garantia que eles
mantém as características especificadas nas normas ABNT NBR vigentes do
produto.

 

1º ALERTA – PRODUTO: O
que é encontrado no mercado

1)
Fios e cabos elétricos para instalação predial, cuja embalagem não consta o selo
INMETRO e/ou sem o nome do fabricante e/ou sem o CNPJ do fabricante, não podem
ser comercializados.

2)
Fios e cabos cuja embalagem consta o selo INMETRO “falsificado” e não conste o
nome e/ou CNPJ do fabricante, também é “falso”.

ATENÇÃO: No
site do INMETRO (www.inmetro.gov.br) constam as EMPRESAS/MARCAS que estão
certificadas.

3)
Produtos cuja embalagem consta o selo INMETRO, nome e/ou CNPJ do fabricante,
porém o produto “não atende” as normas ABNT, e a principal não conformidade é
quantidade menor do metal cobre no fio condutor.

 

2º ALERTA – Qual é a
principal não conformidade

O
condutor elétrico dos fios e cabos é o metal cobre. As empresas não sérias estão
usando uma quantidade menor de cobre do que a norma especifica. Isso é crime,
pois coloca sua instalação elétrica em perigo!!!!

Outra forma de burlar os produtos
é no isolamento dos fios e cabos. Alguns produtos não conformes estão usando PVC
de má qualidade, não antichama, inclusive com espessura mais grossa para
compensar o diâmetro final do fio ou cabo que utilizou menos
cobre.

Além
disso, outra não conformidade comum é a
metragem dos rolos em cada embalagem. Os produtos não conformes podem ser
menores que os 100 metros, embalagem padrão para a maioria das bitolas (1,5mm² –
2,5mm² – 4,0mm² – 6,0mm²).

 

COMO IDENTIFICAR Fios e Cabos
Elétricos para Instalação Predial com menor quantidade de
COBRE:

a) Diâmetro externo
menor (mais fino):
Olhando para o Fio ou Cabo, verificará que ele
tem o diâmetro externo menor comparado com outros produtos corretos e/ou marcas
tradicionais;

b) Peso: Ao pegar o
rolo de 100m
, embalagem padrão para a maioria das bitolas (1,5mm²
– 2,5mm² – 4,0mm² – 6,0mm²) verificará que ele tem um peso menor em relação aos
produtos corretos.

NOTAS:
Isolamento/cobertura plástica mais grosso pode ser usado para compensar o uso de
menos cobre no produto. Percebendo isto, desconfie que o produto é “não
conforme” e procure mais informações sobre ele.

 

3º ALERTA – Fiscalização
INMETRO

O
INMETRO, com o objetivo de combater a concorrência desleal, implementa nova
metodologia de fiscalização técnica, envolvendo medição da resistência elétrica,
in loco, dos produtos e apreensão cautelar, para coibir os produtos não
conformes.

 

RISCOS E PREJUÍZOS de
adquirir os fios e cabos não conformes:

Aos Instaladores e
Construtoras:


CLIENTE insatisfeito e em risco devido aos problemas da Instalação
Elétrica;

CUSTO pela troca do produto e reinstalação por outro que atenda as
normas;

Penalidades jurídicas e legais, por instalar produto “não conforme” ou sem a
certificação compulsória do sistema INMETRO.

Aos
Consumidores:


Instalações Elétricas com risco de curto-circuito ou até incêndios;

Perda de seu patrimônio;

Risco à saúde e vida de seus familiares;

Aumento de consumo de energia elétrica pelo aquecimento dos condutores, causado
pela quantidade menor de Cobre.

 

Fonte:
Sindicel