post-title Normas projetos de incêndio 2009-11-11 11:51:19 yes no Posted by: Categories: Notícias

Normas projetos de incêndio

Sobre a Elaboração do Projeto de Alarme de Incêndio
Para elaboração do projeto, devem ser obedecidas as respectivas prescrições, referentes aos equipamentos, descritas abaixo.

A Central deve ser colocada em áreas de fácil acesso e, sempre que possível, sob vigilância humana constante (por exemplo, portarias principais de edifícios, salas de bombeiros ou segurança, etc.).A área de instalação da Central não deve estar próxima a materiais inflamáveis ou tóxicos. A área, quando enclausurada, deve ser ventilada e protegida contra a penetração de gases e fumaça.  Deve existir um caminho de abandono até uma área segura fora do prédio, que não pode ser inundada pela fumaça ou pelo calor do fogo e não pode conter materiais inflamáveis ou tóxicos com o aumento da temperatura.  A distância máxima a percorrer até a segurança não pode ser maior de 25m.  A escolha do local da instalação da Central deve permitir a comunicação verbal entre esta e o estacionamento de veículos de combate a incêndio.  A Central não deve ser instalada em áreas com risco de fogo ou onde não são asseguradas o abandono e acesso por área protegida até área segura.

Bateria de Acumuladores. Quando não for alojado no interior da Central, deve ser instalada em local protegido, adequado ao tipo da bateria, de forma a evitar danos à saúde e a quaisquer equipamentos e materiais existentes no local. O local da instalação da bateria deve ainda ser ventilado até o exterior da edificação e deve permitir fácil acesso e plenas condições de manutenção. A penetração de gases da bateria no interior da Central deve ser inibida. Se a instalação da bateria for feita em outra sala fora da Central, a supervisão da bateria deve funcionar quando a Central estiver sem alimentação da rede pública ou quando a bateria estiver desligada.

Nota: Esta exigência não é válida quando a separação entre a bateria e a Central for menor que 1 metro, ou quando houver paredes de separação para facilitar o enclausuramento destas, com porta de acesso dentro da área da instalação da Central.

Acionador Manual. Dispositivo destinado a transmitir a informação de um princípio de incêndio, quando acionado pelo elemento humano. Deve ser instalado em locais de maior probabilidade de trânsito de pessoas em caso de emergência, tais como: nas saídas de áreas de trabalho, lazer, em corredores, halls, saídas de emergência para o exterior, etc. Deve ser instalado a uma altura entre 1,20 metros e 1,60 metros do piso acabado na forma embutida ou de sobrepor. No caso de instalação de sobrepor, o ressalto do invólucro não pode exceder 40 mm em corredores com comprimentos menores de 1,2 metros. Em corredores de até 1,8 metros de comprimento não pode exceder 60 mm e, em áreas abertas, o ressalto pode chegar até 100 mm sem proteção para as pessoas. No caso de instalação embutida, uma sinalização na parede ou no teto em uma altura máxima de 2,5 metros deve ser prevista, com tamanho e cor similares aos de um acionador manual no fluxo normal de movimentação das pessoas.  A distância máxima a ser percorrida, livre de obstáculos, por uma pessoa em qualquer ponto da área protegida até o acionador manual mais próximo não deve ser superior a 16 metros e a distância entre os acionadores não deve ultrapassar 30 metros. Na separação vertical, cada andar da edificação deve ter pelo menos 1 (um) acionador manual.

Detectores. A seleção do tipo e local de instalação dos detectores deve ser efetuada com base nas características mais prováveis da conseqüência imediata de um princípio de incêndio, além do julgamento técnico, considerando-se os seguintes parâmetros: aumento de temperatura, produção de fumaça ou produção de chama; materiais a serem protegidos; forma e altura do teto e a ventilação do ambiente, entre outras particularidades de cada instalação. Esta Norma baseia-se em detectores automáticos com sensibilidade, de acordo com a classificação I e II ou A e B.  Detectores de Temperatura. A área de ação a ser empregada para estes detectores é de 36,00 m² para uma altura máxima de instalação de 7,00 metros. Os tipos mais utilizados são:  Térmicos:  instalados em ambientes onde a ultrapassagem de determinada temperatura indique seguramente um princípio de incêndio e termovelocimétricos: instalados em ambientes onde a rapidez no aumento da temperatura indique inequivocamente um princípio de incêndio.

Detectores de Fumaça. A área máxima de ação destes detectores é de 81,00 m², para a instalação em tetos planos, ambientes sem condicionamento de ar, com altura de instalação de até  8,00 metros. Os tipos mais utilizados de detectores de fumaça são:

Nota: Se a área supervisionada contém poeira, fumaça ou gases agressivos, que diminuem o intervalo entre as manutenções e a vida útil dos detectores, ou que aumentem a quantidade de alarmes falsos garantidos pelo fabricante, o projetista deve anotar estas previsões de forma bem destacada na descrição do projeto.

26/8/2009 16:38:38

FONTE SITE EQUIPEL